segunda-feira, 1 de junho de 2009

precisam-se de voluntarios...

A Diocese de Coimbra vai organizar este Verão três acampamentos de férias na Figueira da Foz abertos a toda a comunidade mas destinados, sobretudo, a filhos de desempregados, revelou um responsável pela iniciativa.

O técnico da Cáritas Diocesana de Coimbra Fernando Santos disse à agência Lusa que os acampamentos de férias abrangem 105 crianças e jovens com idades compreendidas entre os oito e os 18 anos.
“É uma iniciativa aberta a toda a comunidade, mas quem estiver no desemprego ou em situação económica difícil não paga nada”, referiu, adiantando que o objectivo é proporcionar “um tempo diferente, de praia”, às crianças e jovens.
O primeiro acampamento decorre entre 29 de Junho e 5 de Julho e destina-se a jovens dos 12 aos 14 anos.
Entre 13 e 19 de Julho está previsto um acampamento para os jovens com idades compreendidas entre os 15 e os 18 anos e no mês de Agosto (de dias 10 a 16) realiza-se a colónia para crianças dos oito aos 11 anos.
Cada um dos acampamentos receberá 35 crianças e jovens e cada grupo será acompanhado por dez monitores, voluntários.
Os jovens mais velhos ficarão em regime de acampamento e os mais novos em casas da Diocese situadas na costa da Figueira da Foz.
“Esta iniciativa procura ser fiel à atitude da Igreja que, em cada época, abre os olhos para ver as necessidades das famílias e intenta dar-lhes solução”, disse à Lusa o Bispo de Coimbra, D. Albino Cleto. Segundo o prelado, “trata-se de um gesto de atenção da Igreja para uma situação concreta”.
“Sabemos de casos de muitos casais em que a situação de desemprego impedirá a saída para férias. Queremos, por um lado, ajudar as crianças, e por outro “consolar” os pais, proporcionando aos filhos um tempo de férias, dias tranquilos”, adiantou o Bispo de Coimbra.
Em tempo de crise, D. Albino Cleto desafiou os cristãos “para que abram os olhos e inventem soluções para resolver problemas novos”.
A iniciativa é organizada pela Cáritas Diocesana de Coimbra e pelo Serviço Pastoral Universitário da Diocese.
“A Cáritas sempre realizou campos de trabalho, mas com esta preocupação, destinados a pessoas carenciadas, é a primeira vez”, disse ainda Fernando Santos, frisando que se trata de “uma resposta da Diocese [à crise] com objectivos de inclusão e não de exclusão”.
As inscrições para os acampamentos já estão abertas e a sua divulgação está a ser feita nas paróquias e nas escolas, acrescentou.

2 comentários:

Ana Luísa disse...

Como poderei fazer para me inscrever como monitora? Será que ainda me aceitam?

Ricardo Santos disse...

Olha foi falar com a Rosa e depois digo te algo.